ARTIGO

Artigo de Joaquim Nagib Haickel desmascara falsos patriotas, cristãos e conservadores surgidos em 2018 na era Bolsonaro

Com o título: "O signo da posição", o artigo destrói com ácido muriático todo discurso velho e enganador dos bolsonaristas

Eleitor confesso de Jair Bolsonaro e crítico convicto da Esquerda, Joaquim Nagib Haickel escreveu neste domingo (10), um artigo com o título: “O signo da posição”, que faz uma análise crítica sobre uma direita inexistente criada em 2018 por Jair Bolsonaro, atual presidente do Brasil, que já esteve na Esquerda e o Centrão.  A análise de Joaquim, foi perfeita, objetiva e categórica, sem muitos arrodeios e tocou justamente na ferida daqueles que tentam se passar por pessoas do bem (cidadão de bem), termo inventado em 2018, e que deu certo, atingindo justamente uma população carente de informações e analfabeta politicamente falando. Sem agressão e muito menos sem citar nomes, Joaquim colocou Ácido Muriático na ferida de milhões que brasileiros que mesmo estando com o dedo queimado ou queimando, se declara cristão, patriota e conservador, como se a sociedade fosse cega. Veja abaixo o artigo de Joaquim Nagib Haickel na íntegra.

“O signo da posição”

Eu sempre disse e repito, a direita usa muito mal os meios de comunicação. A primeira coisa errada é o fato de se autointitularem “conservadores”, uma palavra que é antipática, sugere algo retrógado, antiquado, velho, chato, o contrário de “progressista”, que automaticamente nos faz pensar em algo moderno, revolucionário, jovem, dinâmico, inovador.

O pior nem é apenas o simples fato do uso equivocado da nomenclatura, mas o efetivo uso dos adjetivos que induzem o nome conservador, o que não identifica alguém que seja verdadeiramente de direita.

Midiaticamente o direitista é malvisto e o esquerdista se não é bem-visto, pelo menos é palatável. O direitista é sempre considerado alguém em boas condições financeiras, o que já subentende alguém que não deseja que ocorram mudanças para que as coisas melhorem para os menos favorecidos, enquanto os esquerdistas têm uma imagem de paladinos da justiça, de lutadores em favor de causas justas, que melhorem a vida das pessoas, ao ponto de até se sacrificarem por elas.

A verdade é que existem pessoas de posicionamento situado a direita do espectro político que fazem exatamente as mesmas coisas que as mais a esquerda, mas que, ou não sabem divulgar seu trabalho, ou ele é incluído no rol dos de esquerda, devido as características de suas ações.

Exemplos singelos disso são os de minha mãe e minha esposa, cada uma a seu modo. Minha mãe realiza diversas ações junto a comunidade cristã a qual pertence, voltada a melhorar a vida das pessoas, mas ela não é militante política, mas suas crenças a colocam do lado direito do planisfério ideológico. O mesmo ocorre com minha esposa que sendo uma liderança empresarial, realiza diversas ações no sentido de incluir mulheres, jovens e idosos, de forma engajada e consciente, no meio produtivo, no ponto de vista econômico e social, e de modo algum faz isso como uma militante de esquerda. Pelo contrário.

Eu mesmo, durante muitos anos tive vergonha de me declarar de direita, pois era bonito ser de esquerda, muitos de meus amigos eram de esquerda e os que eram de direita, falavam e faziam coisas que para mim eram reprováveis, não que eles fossem más pessoas, mas que não sabiam se colocar na cena política e simplesmente faziam o oposto dos esquerdistas, que era exatamente a coisa errada a ser feita.

Hoje, mais vivido e maduro, assumo minha efetiva posição e tenho orgulho dela, mas não admito que me rotulem pejorativamente como direitista, como um mero conservador, alguém que não luta por mudanças para patamares melhores, muito menos como alguém que aceita esse tipo de coisa.

Da mesma forma eu não colo automaticamente nos esquerdistas o rótulo de hipócrita, maniqueísta e sectário que é comum nos dessa latitude, até porque esses adjetivos podem muito bem ser encontrados no pessoal de direita, que agem como se tivesse sua imagem refletida em um espelho em relação aos seus postos, faz as mesmas coisas erradas que faz um esquerdista sem coerência ou o critério correto.

O mal não está em ser de esquerda ou de direita, mas naqueles que não agem sem aquilo que é indispensável para tudo na vida: Correção e honestidade em seus propósitos, coerência em suas ações, tolerância em sua convivência, respeito em seus relacionamentos, inteligência emocional, humildade e sabedoria para consigo mesmo e com todos. Coisas muito difíceis de serem encontradas simultaneamente e em quantidade suficiente em quem normalmente está envolvido com política.

Tendo essas coisas, não interessa de qual lado do espectro político que uma pessoa se encontra. Tendo isso, ninguém é de direita ou de esquerda. Quem é assim, quem tem esses predicados, adjetivos e substantivos, é um humanista, e sempre buscará o caminho do centro, da conciliação e do entendimento.

Já diziam quase todos os grandes pensadores, que o melhor caminho é sempre o caminho do centro.

Por Joaquim Nagib Haickel

Mostre mais

Artigos Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo
error: Conteúdo protegido!!!