BABADO DA SEMANA

“Não há risco de Covid-19 em lotéricas porque o vidro é blindado”, diz Bolsonaro

As pérolas soltadas por Bolsonaro imitam as disparadas pela ex-presidente Dilma Rousseff

Em live no Facebook, o presidente Jair Bolsonaro criticou nesta quinta-feira (26) decretos de governadores que determinaram o fechamento de casas lotéricas em seus Estados como modo de prevenção à pandemia de covid-19. Segundo Bolsonaro, não há risco de transmissão do novo coronavírus no interior das lotéricas porque o vidro que separa os funcionários do público é “blindado”.

Nessa quarta-feira (25), o presidente assinou decreto para permitir a reabertura de casas lotéricas no país. Eis a íntegra do Decreto 10.282 (542 KB), que lista serviços essenciais para a população.

Segundo Bolsonaro, o Brasil tem 12.956 casas lotéricas e, com a determinação dos governos estaduais e municipais, 2.500 unidades estavam fechadas.

“Acreditem, 2.463 casas lotéricas, 2.500 casas lotéricas, estavam fechadas. Por decretos de alguns governadores ou prefeitos. Eu não estou criticando governador ou prefeito. Agora, pelo amor de Deus, fechar casa lotérica? Pelo amor de Deus, fechar casa lotérica… Pelo amor de Deus. Inclusive, o cara que trabalha na lotérica tem 1 vidro blindado. Ou seja, não vai passar o vírus ali. O vidro é blindado, não vai passar, ele trabalha no lado de cá”, disse.

Sem máscara de proteção, Bolsonaro estava ao lado do presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, e da intérprete de libras Elisângela Castelo Branco.

Assista ao momento da live (2min56seg):

O presidente ainda afirmou que a abertura das casas é necessária para evitar aglomerações em bancos.

“Imagina se todo mundo fosse para a agência da Caixa, ia ter 1 ajuntamento enorme de gente, exatamente na contramão daquilo que a gente prega, evitar o ajuntamento.”

CRÍTICA A GOVERNADORES

Bolsonaro voltou a fazer críticas a “alguns poucos governadores e prefeitos” que adotaram medidas restritivas de circulação em seus Estados. Para ele, os governantes “erraram na dose”.

“Botaram em vez de 1 comprimido, botaram 3. E uma dose errada vira veneno. O povo está ficando desesperado, quer trabalhar”, disse. “Esse vírus é igual uma chuva, fechou o tempo e fez trovoada, você vai se molhar. E vamos tocar o barco.”

Para o presidente, regiões em que a população é pequena não deveriam fazer quarentena. “Tem prefeitura com pouquíssimos habitantes que o governo está fazendo barbaridade, parece que quer mostrar serviço, sendo que a chance de contaminação é quase zero”, disse.

ISOLAMENTO VERTICAL

O presidente defendeu o “isolamento vertical” (de idosos e pessoas com doenças) como estratégia para combater a pandemia de covid-19.

“O que é o isolamento vertical? É você pegar a pessoa idosa e isolar ela. Coloca em 1 hotel. Aluga 1 hotel, coloca lá dentro. [A conversa] Está sendo dessa maneira porque essa história de pra ninguém vale ou vale pra todo mundo, está chegando o desemprego. Está batendo na porta. Já começou no Brasil”, disse.

Bolsonaro ainda rebateu críticas à sua defesa de empregos no Brasil diante da crise do coronavírus. “O pessoal fala: ‘Ah o cara está preocupado mais com economia do que com a vida’. Meu amigo, sem grana você morre de fome, morre de depressão, suicídio. Vem violência atrás disso. Há uma relação direta entre o percentual de pessoas desempregadas e violência”, disse.

Segundo Bolsonaro, a ministra Damares Alves (Mulher, da Família e dos Direitos Humanos) o informou que no período da crise do coronavírus no Brasil aumentou em 50% a violência contra a mulher.

“Qual a origem disso? A gente já sabe qual que é. É esse tal de isolamento. Fica todo mundo confinado em casa, é problema é dinheiro. Em casa onde falta pão todos brigam. É isso que infelizmente acontece. Nós temos que se preocupar com a vida sim, mas o vírus vem e vai”, afirmou.

POPULAÇÃO TEM QUE AGIR

O presidente criticou a dependência da população em relação ao Estado. Segundo ele, é responsabilidade das pessoas conter a propagação da covid-19 no Brasil e proteger o grupo de risco da doença.

“A 1ª pessoa que tem que se preocupar com o grupo de risco é você, que tem seu pai, seu avô ou bisavô dentro de casa. Não é esperar que o governo faça alguma coisa. O governo está fazendo muita coisa, mas não pode fazer tudo que alguns acham que o Estado tem que fazer”, disse.

HIDROXICLOROQUINA

O presidente disse que defendeu a hidroxicloroquina como medicação para o tratamento da covid-19 em reunião do G20. O remédio ainda não teve eficácia comprovada. Ao final da live, disse: “Se Deus quiser, isso aqui vai ser confirmado como remédio para curar todos aqueles portadores da covid-19”.

Em entrevista ao Poder360, a doutora Heloísa Ravagnani, infectologista e presidente da SIDF (Sociedade de Infectologia do Distrito Federal) afirmou que, por ainda estarem em fase de teste, o uso da hidroxicloroquina não é recomendável para casos de covid-19 leve ou como preventivo. Segundo ela, a ingestão pode causar efeitos colaterais graves. Saiba o que é recomendado e o que é contraindicado a quem contrair covid-19.

BOLSA FAMÍLIA

Bolsonaro ainda afirmou que estuda editar uma medida provisória para conceder abono extra de R$ 100 aos beneficiários do programa Bolsa Família durante a pandemia de covid-19.

O governo está aí fazendo o que pode. Só estamos podendo fazer isso porque a Câmara aprovou o estado de calamidade. Parabéns à Câmara e ao Senado por terem aprovado, pois agora nós podemos gastar acima do teto”, disse em live no Facebook.

Também afirmou que vai apresentar ao Congresso Nacional 1 projeto de lei para tornar permanente o 13º do programa, para suprir MP que perdeu a validade na última 4ª feira (25.mar.2020). Prevista para ser analisada pela Câmara dos Deputados na semana passada, a proposta não foi votada em virtude das discussões sobre a pandemia do novo coronavírus.

“Eu acho que a gente não pode entrar com uma nova medida provisória no final do ano, mas vamos entrar com 1 projeto de lei, pedindo urgência ao parlamento, para que seja garantido o 13º do Bolsa Família de forma definitiva”, afirmou.

BRASILEIRO TEM QUE SER ESTUDADO

O presidente afirmou na live que o “brasileiro tem que ser estudado” por, segundo ele, viver muitas vezes em regiões sem saneamento básico e, ainda assim, não ficar doente.

“A gente vê às vezes, em certas comunidades, o cara pulando no rio ali junto com esgoto e o cara não pega nada. Nem leptospirose”, disse. “Parece que o brasileiro tem o corpo blindado nessa questão.”

CORONAVOUCHER

Bolsonaro também confirmou que o valor do “coronavoucher” – voucher (cupom) para trabalhadores informais atingidos pela crise do coronavírus– passará de R$ 200, inicialmente anunciado, para R$ 600. Se aprovado pelo Congresso, o pagamento será realizado por 3 meses. A maior parte do pagamento será feita pela Caixa Econômica Federal.

“Aquela ajuda inicial para os informais, de R$ 200, que era muito pouco, conversei com Paulo Guedes e ele resolveu triplicar esse valor. Ele sabe que R$ 200 é pouco e R$ 600 dá uma ajuda para quem perdeu o emprego”, disse.

O governo divulgou que o novo valor foi decidido depois de acordo com o Congresso. O pagamento deve beneficiar 24 milhões de trabalhadores, de acordo com divulgada pela Secom. Eis a íntegra.

Vídeo: Brasileiros reagem à postura de Bolsonaro (AFP)

A estimativa preliminar do diretor-executivo da IFI (Resultados da pesquisa Resultados da Web Instituição Fiscal Independente) do Senado, Felipe Salto, é que o impacto da medida será de R$ 43 bilhões. Ele ressalva que ainda checa o número total de beneficiários.

Por Sabrina Freire (MSN-Brasil)

Mostre mais

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo