TRANSPORTE

Ferry Boat: ninguém controla o número de passageiros por viagem

Apenas a quantidade de veículos por viagem tem o controle devido ao espaço dentro da embarcação

A Agência de Mobilidade Urbana (MOB) e a Empresa Maranhense de Administração Portuária (EMAP), acabam divulgando números que totalizam a quantidade de passageiros que passaram pelos portos de Cujupe em Alcântara e Ponta da Espera em São Luís, mas não costumam controlar o número de passageiros por viagem, já que é incontrolável. A capacidade de um Ferry Boat por viagem é calculada pelo tempo de embarque, na plataforma de embarque ninguém da fiscalização faz o controle, o que pode superlotar a embarcação e causar até uma tragédia na baía de São Marcos.

Neste carnaval as viagens seguem em ritmo intenso, já que a movimentação de foliões nos Terminais de Ponta da Espera e Cujupe é muito grande. Segundo as operadoras de transporte marítimo, somente nessa sexta-feira, dia 01 de março, mais de 11 mil passageiros e cerca de 1.500 veículos fizeram a travessia rumo à região da Baixada Maranhense. Mas se alguém questionar a quantidade de passageiros por embarcação vai ficar sem resposta, que ninguém faz o controle, nem os órgãos fiscalizadores e muito menos as empresas responsáveis pelas viagens. Passageiros chegam viajar sentados no piso da embarcação até com crianças no colo.

Aqueles que se antecipam e garantem suas passagens embarcam de forma rápida e tranquila, mas quem vai para uma tal fila de espera, acaba passando até 6h para embarcar, em um local onde o sol e a chuva são os únicos fenômenos vistos pelos passageiros. Neste carnaval para quem não conseguiu se programar com antecedência, as empresas Servi Porto e Internacional Marítima disponibilizam viagens adicionais, um atitude que deveria ser programada pelas empresas bem antes, evitando essa humilhação nos portos da Espera e Cujupe.

A volta da baixada é ainda mais castigante. Dois motivos fazem os passageiros sofrerem ainda mais: Um é a espera no Cujupe, já que o porto dispõe de duas rampas de embarque e desembarque, mas os Ferry Boat’s acabam esperando horas para atracar. E a outra é a tal fila de espera, que atrapalha o trânsito na MA-106 dentro da comunidade Cujupe. É um verdadeiro sofrimento e até agora nenhum Governador resolveu essa penúria.

Apesar do clima ser de folia e para a grande maioria dos passageiros a viagem já ser parte da festa, a recomendação dos responsáveis pelo serviço de ferry boat é de que apenas pessoas com passagem dirijam-se aos terminais. Mas os próprios empresários acabam dificultando o serviço, já que trabalham com um número pequeno de funcionários e só abrem as bilheterias para vender as passagens em cima da hora, formado filas quilométricas, apenas um funcionário vende passagens para crianças, idosos, adultos e veículos, cansando ainda mais o usuário.

ARTIGOS RELACIONADOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close