ALCÂNTARA

Flávio Dino deveria tirar a ambulância do TJ e colocar no Terminal de Cujupe

Os terminais de Cujupe e Ponta da Espera não possuem ambulância e profissionais para atendimentos

As vezes tenho dificuldades para entender os motivos que levaram o governador Flávio Dino doar uma ambulância para o Tribunal de Justiça do Maranhão (TJ) e deixar os terminais de Cujupe e Ponta da Espera sem, já que por lá passam milhares de pessoas e centenas de veículos todos os dias. Por se tratar de locais que movimentam passageiros e ficam distantes de hospitais, seria necessário um posto de saúde com profissionais e equipado com ambulância.

O porto de Cujupe é o maior e mais importante no transporte de veículos, cargas e passageiros, ligando São Luís a Baixada e Litoral Maranhense, além de facilitar o acesso ao estado do Pará. Pela grande importância na ligação da capital com mais de 50 municípios da região, os terminais de Cujupe e Ponta da Espera já deveriam ter no mínimo uma brigada de bombeiros militares, o que seria o mínimo de contrapartida para o município de Alcântara por operar em seu território, o que ajudaria o povo dessa região, distante da cidade história.

Nesta quarta-feira (08) uma cena inusitada foi flagrada no Porto de Cujupe, quando uma paciente foi transportada de canoa/barco em uma rede da Ilha de Cajual para o Cujupe, de onde foi encaminhada para São Luís via ferry boat. Se o terminal de Cujupe disponibilizasse de uma ambulância, o transporte da paciente seria mais digno e correto.

Enquanto os terminais de Cujupe e Ponta da Espera sofrem com a falta de ambulâncias, na porta do Tribunal de Justiça do Maranhão, no Centro de São Luís, tem uma estacionada que não serve para nada, a não ser para o motorista dormir o dia inteiro com o pé trepado no painel.

Dentro das próprias embarcações não existem sequer profissionais de saúde capacitados para atuarem em caso de urgência com primeiros socorros. Por ali são transportados idosos e crianças, mas isso pouco preocupa o Governo do Estado ou as empresas concessionárias que trafegam pela baía de São Marcos de São Luís para o Cujupe. Está na hora do presidente da Empresa Maranhense de Administração Portuária (EMAP), Ted Lago acordar para Jesus, assim como o presidente da Agência de Mobilidade Urbana (MOB), Lawrence Melo.

O Portal G7 tentou contato com EMAP, MOB  e SECAP, mas não conseguiu comunicação através dos números:  (98) 3222-4807 (EMAP), (98) 3254-0347 (MOB) e (98) 2016-9650 (SECAP). O G7 abre espaço para qualquer um dos órgãos que quiser enviar resposta sobre a matéria publicada.

A Empresa Maranhense de Administração Portuária (EMAP) enviou nota solicitada pelo Portal G7 explicando os fatos acontecidos no Porto de Cujupe.

É válido lembrar que o Porto de Cujupe não é o Porto Ponta da Espera, portanto necessita com urgência de uma ambulância equipada e uma brigada do Corpo de Bombeiros Militares.

ARTIGOS RELACIONADOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close