CULTURA

Ha quase um século bairro João Paulo é tomado pelo som das matracas

Desde 1928 o bairro João Paulo é invadido pelos bois de matracas

A tradicional festa de São Marçal possui várias histórias, que juntas, fortalecem cada vez mais a fé de seus devotos e simpatizantes. Em São Luís,, a tradicional homenagem a São João. São Pedro e São Marçal, encera justamente no dia 30 de junho, no bairro do João Paulo. A festa dedicada a São Marçal, realizada na avenida João Pessoa, hoje batizada com o nome de São Marçal, reúne o maior Encontro de Bois de Matraca do Maranhão, com milhares de pessoas que valorizam a cultura, aquecem setores econômicos, além de manter a tradição.

O evento mostra a força de nossas manifestações culturais, como o bumba meu boi. A avenida São Marçal fica colorida e reúne gente de vários lugares do Estado e Brasil. Ao som das matracas e pandeirões, o João Paulo recebe uma multidão, que a cada ano cresce ainda mais. O encontro no bairro é uma tradição que encanta brincantes e chama atenção de quem admira a cultura maranhense. Mas, no início deste encontro, a coisa não era bem aceita, como é hoje e forte discriminação foi enfrentada até os dias atuais.

Os folcloristas dizem que o primeiro Encontro de Bois no João Paulo aconteceu em 29 de junho de 1928, quando os batalhões do Boi do Lugar dos Índios, do povoado São José dos Índios, em São José de Ribamar, e o Boi da Maioba, se reuniram no espaço onde hoje é a Praça Ivar Saldanha, sob o pedido de José Pacífico de Moraes, comerciante e apreciador da cultura popular, que resolveu reproduzir em seu bairro um encontro que já ocorria desde 1924, todo dia 29, em honra a São Pedro, na então Vila do Anil.

O encontro se repetiu por todos os anos até 1949, quando foi para o Monte Castelo, mas ficou lá somente um ano. Depois, foi para o Bairro de Fátima e rodou por outros bairros até retornar ao João Paulo, em 1959. De lá para cá o Encontro foi crescendo e hoje se tornou uma tradição voltada ao festejo junino.

Intolerância

Alguns historiadores da cultura maranhense relatam a intolerância sofrida por grupos folclóricos no estado. Em sua obra “Preconceitos e perseguições a religiões e festas populares”, o professor doutor Sérgio Ferretti expôs que o bumba meu boi foi muito rejeitado pela elite maranhense e entre os anos de 1920 e 1940, portarias da Polícia Civil proibiam as apresentações dos grupos desde o Anil à esquina da Avenida Getúlio Vargas com a rua Senador João Pedro, além de bailes ao ar livre no largo do João Paulo.

Apesar das proibições, o bairro tornou-se um importante palco do bumba meu boi, mas somente nos anos 1980 a festa tomou a forma atual. Em 2006, a Prefeitura de São Luís, depois de sancionada a lei que alterou o nome da antiga Avenida João Pessoa para São Marçal, atribuiu à Festa de São Marçal, através da Lei nº 4626, de 14 de julho, o título de bem cultural e imaterial, transformando a data no Dia Municipal do Brincante de Bumba Meu Boi e, no ano seguinte, foi erguido, na mesma avenida onde é celebrada a festa, um monumento que representa a popularidade do festejo e homenageia o santo.

Neste ano, a festa chega a sua 91ª edição e mais de 30 grupos folclóricos devem se apresentar durante as comemorações, que começam ainda na noite do dia 29 e se estendem por todo o dia 30 de junho, com a participação de aproximadamente 300 mil pessoas durante todo o evento, de acordo com Instituto São Marçal de Cultura e Desenvolvimento Social.

Além de homenagear o santo, a festa é dedicada também aos integrantes dos grupos de bumba meu boi que, durante todo o mês se dedicam a apresentações e neste dia tem sua oportunidade de diversão, com o apoio das diretorias das brincadeiras.

“A gente costuma dizer que é o dia do brincante, porque eles passam todo o período de São João brincando para o boi ganhar cachê, pagar suas despesas. Então naquele dia ele vai brincar junto com o povo e a diretoria tem que apoiar, levar os integrantes”, ressaltou.

Amor pela festa que atravessa o tempo

Admiradores da cultura maranhense também fazem parte da festa. A aposentada Claudete Lucena, de 65 anos, participa das homenagens a São Marçal há mais de 10 anos, acompanhando o Bumba meu boi da Pindoba e se sente encantada a cada edição.

“A primeira vez que eu fui, tinha passado a noite toda acompanhando as apresentações do boi e amanheci no João Paulo. Depois disso, vou todos os anos, porque acho a festa linda. Todo mundo vai para se confraternizar, é uma magia, uma coisa muito boa. Eu acho que nunca vou deixar de ir, porque eu gosto mesmo é dos bois de matraca. Gosto de ver o Boi de Maracanã, Boi de Ribamar, Boi da Maioba, Boi da Pindoba. O som da matraca é a minha paixão”, contou.

Muitos brincantes vão além e incentivam diretamente a manutenção da tradição. Dona Osmarina Costa mora há mais de 30 anos no bairro João Paulo e desde que chegou por lá, acompanha a festa. No início, segundo ela, ir para a avenida assistir às apresentações era um problema.

“Meu marido não gostava e eu fugia para ir para o boi. Ele ia para o serviço, eu fechava o comércio que nós tínhamos e me mandava. Ele tinha horror quando chegava em casa e não encontrava a comida pronta e eu chegava em casa com o pé todo preto, sujo, porque naquela época eles faziam fogueira, mas eu não estava nem aí”, explicou.

Mocotó

Com o passar dos anos, ela se tornou uma figura importante e muito conhecida pelo público do evento e, atualmente, até o marido participa da produção do tradicional mocotó e caldo de ovos distribuídos por Dona Osmarina e a família a todos os brincantes que participam do encontro.
“Começou com as minhas irmãs que vinham para a minha casa e traziam as amigas e sabe como é gente do interior, sempre quer dar comida. Eu falei pro meu marido e ele começou a comprar os ingredientes e eu fazia o mocotó. Aí um foi falando para o outro e parece que aqui é que é a festa”, esclareceu dona Osmarina.

Começou com as minhas irmãs que vinham para a minha casa e traziam as amigas e sabe como é gente do interior, sempre quer dar comida. Eu falei pro meu marido e ele começou a comprar os ingredientes e eu fazia o mocotó. Aí um foi falando para o outro e parece que aqui é que é a festa”Osmarina Costa, que mora no João Paulo e participa da festa há há mais de 30 anos

Ela e a família abrem as portas da casa localizada na Rua da Cerâmica e distribuem todos os anos, para quem participa da brincadeira, aproximadamente 50 kg de mocotó, 20 kg de peixe frito e cozido e um panelão de 20 litros de caldo de ovos, além dos acompanhamentos e das bebidas. E, ao contrário do que muitos supõem, dona Osmarina não cumpre promessa nem recebe doação para a produção dos pratos. Ela não sabe precisar quanto gasta todos os anos para cumprir a tradição, mas garante que faz tudo isso por amor à festa. “É uma satisfação”, destaca.
Além da fé e da cultura, a festa movimenta também a economia da cidade. Nos dias que antecedem as comemorações, vendedores ambulantes já começam a demarcar os espaços para instalar suas bancas e barracas de bebidas e comidas. Outro produto que faz bastante sucesso entre os brincantes, é o principal instrumento da festa: as matracas. Artesãos aproveitam o período para vender os instrumentos e garantem que a procura é intensa.

Imaginação popular marca muitas histórias sobre o santo

São Marçal foi bispo de Limoges, França, no século III da era cristã. Não há informações precisas sobre sua origem, data de nascimento ou morte, nem tampouco sobre os atos praticados em seu bispado. Sabe-se apenas que, durante o consulado de Décio e de Grato, sete bispos foram enviados de Roma para a Gália para pregar o Evangelho. Gatien seguiu para Tours, Trofimo para Arles, Paulo para Narbonne, Saturnino para Toulouse, Denis para Paris, Austromoine para Clermont e Marçal para Limoges. Como sempre se fazia acompanhar por dois padres trazidos por ele do Oriente, cogita-se que Marçal também tenha vindo de lá. O fato é que ele foi bem-sucedido na conversão dos moradores de Limoges, onde tornou-se uma figura venerada.

A imaginação popular, tão propensa a criar lendas e fantasias, logo transformou São Marçal em um apóstolo do século I, enviado à Gália pelo próprio São Pedro. Ali, ele teria evangelizado não apenas a província de Limoges, mas toda a Aquitânia. Ainda segundo as lendas, São Marçal fez muitos milagres, como o de trazer um morto de volta à vida ao tocá-lo com uma vara dada por São Pedro.
Atualmente, já está provado que a honra devida a São Marçal não se deve à lenda de que ele teria sido um dos 72 discípulos de Cristo, mas sim por ter sido o primeiro pregador da fé cristã em Limoges e nada além disso.

Buissas, bispo de Limoges, fez uma petição à Santa Sé em 1853 para que São Marçal não fosse privado das honras recebidas a tanto tempo. Pio IX, em seu decreto de 8 de maio de 1854, recusou-se a dar a São Marçal o título de discípulo de Cristo, afirmando ainda que apenas a sua veneração era muito antiga. Existem duas epístolas na Biblioteca de Patrum atribuídas a São Marçal, mas ambas são consideradas apócrifas.

 

Por Imirante

Mostre mais

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo