POLÍTICA

Qual o motivo da prefeitura de São Luís negar acesso a planilha de custo do transporte público?

Lei de Acesso à Informação foi descumprida pelo órgão diante de solicitações de usuário do sistema para obter dados

A Prefeitura de São Luís descumpriu a Lei 12.527/2011, conhecida como Lei de Acesso à Informação (LAI), sancionada há dez anos, e deixou de fornecer dados sobre a planilha de custo do transporte coletivo no município. Pela legislação federal, o prazo para a resposta obrigatória dos órgãos públicos é de no máximo 20 dias.

Segundo o blogue do jornalista Isaías Rocha apurou, o requerimento assinado por Denes Wenen Pavão da Silva, que seria usuário do sistema de transporte, foi protocolado junto à Controladoria Geral do Município (CGM) às 9h47, do último dia 15 de dezembro, solicitando da Secretaria Municipal de Trânsito e Transporte (SMTT), informações sobre as planilhas de custos das empresas e consórcios que operam na capital maranhense.

O pedido, entretanto, acabou sendo rejeitado pela administração municipal no dia 27 do mesmo mês. A resposta enviada naquela data, 12 dias depois, assinada pelo secretário Diego Baluz, titular da Secretaria Municipal de Trânsito e Transporte (SMTT), não trouxe informações precisas quanto à solicitação.

“Esta Secretaria esclarece que todas as informações referentes a contratos solicitados foram devidamente publicadas e podem ser acessadas pelo Diário Oficial do Município de São Luís”, destaca o documento assinado pelo secretário Diego Baluz.

Para solicitar informações pela LAI no site no site da prefeitura, basta preencher os campos com a solicitação desejada. E foi assim que procedeu o cidadão mencionado na tentativa de coletar dados que não são divulgados oficialmente. Segundo ele, sem acesso às planilhas, não há como fiscalizar o custo técnico do transporte.

“Se os parâmetros de cálculo devem ser adequados a cada caso, é preciso fiscalizar se as planilhas de custos das empresas estão sendo apropriadamente preenchidas. Sem acesso às planilhas, não há como fiscalizar o custo técnico do transporte”, frisou o cidadão que apresentou recurso para ter acesso ao documento.

Ter acesso aos custos do transporte coletivo em São Luís se transformou numa missão impossível (Foto: Reprodução)

Missão impossível

Há muito tempo é necessária a revisão da metodologia de análise da formação dos custos das empresas de ônibus na capital, base para a fixação das tarifas. É insuficiente estabelecer critérios de cálculo sem prever a especificidade de cada bacia de transporte e as características do serviço oferecido por cada concessionária. Se os parâmetros de cálculo devem ser adequados a cada caso, é preciso fiscalizar se as planilhas de custos das empresas estão sendo apropriadamente preenchidas. No entanto, ter acesso aos custos, se transformou numa missão impossível.

A divulgação dessas informações é fundamental para que especialistas possam formar uma opinião técnica baseada em dados confiáveis e a população perceba – ou não – a justiça da cobrança de passagens. No entanto, para os usuários do sistema, é muito cruel a realidade do transporte público em São Luís. A mudança desse estado de coisas depende do sucesso das políticas de mobilidade que, por sua vez, dependem desse sistema e da sua integração com outros modais. Desse modo, conhecer os custos específicos de cada empresa e bacia será de suma importância para esse esforço. Mas, como saber, se não conhecemos essas planilhas?

Termo de adesão ao programa Time Brasil, da Controladoria-Geral da União (CGU), foi só mais uma peça publicitária para Braide enganar a população (Foto: Divulgação)

Sem transparência

Curioso é que a negativa do pedido ao cidadão ocorreu nove meses depois de o prefeito Eduardo Braide assinar, em abril do ano passado, termo de adesão ao programa Time Brasil, da Controladoria-Geral da União (CGU), tornando São Luís a primeira capital brasileira a aderir ao programa, que visa garantir melhores instrumentos para transparência dos gastos públicos e combate à corrupção.

Em tese, com a assinatura de Braide, a gestão municipal passaria a garantir melhores instrumentos para transparência dos gastos públicos e combate à corrupção. Na prática, porém, impera a ocultação e sonegação de informações que deveriam ser públicas.

Ato ilícito na negativa

Em seu artigo 32, a LAI determina que o agente público ou militar que se recusar a fornecer informação, retardar deliberadamente o seu fornecimento ou fornecê-la intencionalmente de forma incorreta comete ato ilícito e pode ser responsabilizado. Apesar da determinação expressa, a prefeitura que tem obrigação de fornecer os documentos, acabou negando a informação.

Direito de acesso às informações públicas é uma das garantias previstas no artigo 5º da Constituição Federal. Por meio do inciso XXXIII, é assegurado que qualquer pessoa pode solicitar informações ao governo (Foto: Reprodução)

Direito à informação – Para especialistas ouvidos pelo blog, a administração municipal tinha a obrigação de fornecer as informações, pois não custa lembrar que o “direito à informação tem previsão constitucional” e o pedido do cidadão não “revelará informações sigilosas ou que coloquem em risco a sociedade ou ao Estado. Ao contrário, a solicitação de tais informações tem escopo diametralmente oposto, consubstanciado justamente no interesse de investigar o devido trato ao erário público.

Criação do SIC – A norma, em seu artigo 9º, estabelece que o acesso a informações públicas seja assegurado mediante a criação do SIC nos órgãos e nas entidades do poder público, a realização de audiências ou consultas públicas, o incentivo à participação popular ou a outras formas de divulgação.

Segundo a lei, o SIC deve ser instituído em local que tenha condições apropriadas para atender e orientar o público quanto ao acesso a informações, informar sobre a tramitação de documentos e protocolizar documentos e requerimentos de acesso a informações.

Queixa ao bispo

Após a negativa do pedido, Denes Wenen, enviou uma carta ao arcebispo de São Luís, Dom Gilberto Pastana de Oliveira, numa tentativa pedagógica de mostrar a importância da solicitação aos usuários do transporte coletivo da capital. No documento, o cidadão ludovicense também não descartou a possibilidade bater às portas do sistema judiciário na tentativa de ter acesso às planilhas na tentativa de fiscalizar os custos do transporte.

Por Isaías Rocha

Mostre mais

Artigos Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo
error: Conteúdo protegido!!!