BABADO DA SEMANA

Quem é mais”Parasita”, o servidor público, Paulo Guedes, família Bolsonaro, Deputados, Ministros ou Senadores?

Paulo Guedes está entre os Parasitas que sobrevivem e se locupletam com dinheiro público

O ministro da Economia, Paulo Guedes, achou que atingiria apenas os servidores públicos que estudaram dia e noite para passar em um concurso, ao comparar nesta sexta-feira os servidores públicos a “parasitas” por exigirem reajustes automáticos. Só que em sua fala que repercutiu negativamente entre as diversas entidades de trabalhadores, Paulo Guedes esqueceu que mesmo sendo indicado, ele é um servidor público e faz parte da pequena parte que se locupleta  com dinheiro público, tendo em suas mãos mordomias, diárias altas até para assistir jogos em estádios de futebol. Assim como os ministros que são os verdadeiros “Parasitas” do Brasil, estão os Deputados Federais, Senadores, e membros da família Bolsonaro que vivem da política como servidores públicos, mesmo sendo em cargos eletivos.

No fim da tarde, após as inúmeras críticas recebidas, o Ministério da Economia, em comunicado, afirmou que a declaração foi “tirada de contexto” e que o foco na reforma administrativa foi desviado. Só que Paulo Guedes por ter um léxico diminuto, fala muito, conhece pouco e sequer respeita o verdadeiro servidor público, achou que estaria atingindo os funcionários que recebem salário irrisórios. Só que o tiro saiu pela culatra, atingindo o próprio chefe Jair Bolsonaro, que nunca trabalhou e vive há 30 anos do dinheiro público, além de colocar os filhos na mesma mamata.

As declarações de Guedes também foram alvo de críticas por parte dos funcionários públicos. Para o professor de Geografia Miguel Pinho, servidor público municipal do Rio, a frase é “um absurdo”:

– É um completo desconhecimento do funcionalismo público no Brasil, além de ser uma inverdade. A maioria dos servidores ganha pouco, às vezes salários abaixo de R$ 2 mil. Não se compara com o salário dos ministros.

O coordenador de ensino do Instituto Nacional de Câncer (Inca), Fernando Lima, classificou de “revoltante” a frase de Guedes:

– É revoltante o ministro desqualificar o trabalho de pessoas que ele sequer conhece. Mas sua opinião representa o interesse do setor privado. Tenho 15 anos de setor público porque essa foi minha opção de carreira. Ele poderia vir trabalhar um dia para ver as condições reais do funcionalismo.

Sua colega Aline Mazzei, enfermeira do Inca, disse se sentir desrespeitada pelo ministro:

– A gente se dedica de verdade e cumpre a carga horária. Escutar isso é um desrespeito.

É bom lembrar que a mamata no governo federal é tão grande, que Sérgio Moro largou a magistratura com salário de R$ 39 mil reais e mais as mordomias para ser ministro da Justiça no governo Bolsonaro com um salário de R$ 30 mil reais, já que as mordomias são infinitamente maiores como diárias gordas até para assistir jogos em estádios, o que somados ultrapassam um milhão de reais mensal.

E quando se fala de deputados e senadores a mamata é maior ainda, haja vista que na Câmara Federal e Senado Federal,

Por Gabriela Oliva*

*Estagiária, sob a supervisão de Luciana Rodrigues (O Globo)

ARTIGOS RELACIONADOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close