MARANHÃO

Representante da Servi Porto fala sobre Ferry Boats tomados por Flávio Dino

Lina Rosa Garcia Neves enviou Nota de Esclarecimento para o Jornal Pequeno, para desmentir Dr Pêta

Até os dias atuais, nenhum passageiro sabia sobre a verdadeira situação das embarcações da empresa Servi Porto Serviços Portuários, tomadas pelo então governador Flávio Dino e entregues a Agência de Mobilidade Urbana e Serviços Públicos (MOB). Uma representante da Servi Porto acusa o Governo do Maranhão de cometer crimes dentro das embarcações.

Neste final de semana, uma representante da Servi Porto, Lina Rosa Garcia Neves, procurou a Coluna do Dr Pêta, no Jornal Pequeno, para contrapor uma publicação que foi ao ar no último domingo, 15, sobre a crise nos terminais de ferry-boat!

Lina Rosa Garcia Neves disse que a Servi-Porto nunca operou de forma ilegal e clandestina desde 1987”,  como havia sido noticiado. Rosa disse a empresa iniciou o serviço de ferryboat “de maneira pioneira e atendendo aos anseios da população dos 35 municípios da baixada e litoral oeste maranhense. Segundo Lina, a Servi-Porto é a maior empresa do segmento de transporte aquaviário do Maranhão.

De acordo com a Nota enviada ao Jornal Pequeno,  a Servi Porto “desenvolve as atividades de Apoio Portuário desde 1987, autorizada por meio da Resolução N°.9.620/1987, concedida pela Superintendência Nacional da Marinha Mercante, publicada no diário da União em 3 de julho de 1987, autorizada pela ANTAQ, por meio da Resolução N°1211 e do Termo de Autorização N° 500, assim como autorizada como Operadora de Transporte de Travessia para Transporte de Passageiros e Cargas, pela Sinfra, Portaria N° 082, de 04 de Outubro de 2013, publicada em 11 de outubro de 2013, seguida da permissão precária nos termos atuais!

Lina Rosa Neves disse ainda, que ao longo dos últimos anos a Servi-Porto prestou um grande serviço ao povo maranhense, transportando aproximadamente 26.500.000 (vinte e seis milhões e quinhentos mil) passageiros e cerca de 3.800.000 (três milhões e oitocentos mil veículos ), consignando que nestes 35 anos foi registrado um número reduzido de atrasos e leves intercorrências, se comparado aos constantes atrasos, paralisações, quebra de motores, barcos a deriva e outras intercorrências graves nos moldes da que atualmente está se verificando sob a gestão do estado do Maranhão.

Lina diz ainda, que foram investidos recursos próprios nos terminais da Ponta da Espera e Cujupe, assim como na construção de todos os ferries boats atualmente existentes, considerando que os atuais ferries “Cidade de Araioses”, “Cidade de Tutóia I” e “Baía de São José I” estão entre os dez maiores ferries boats do Brasil e possuem capacidade para mais de mil passageiros e 100 carros, cada um, em substituição aos antigos ferries boats” Cidade de Pinheiro”, “Cidade de Alcântara” e “Cidade de Cururupu”, menores e já comercializados para outros empresários.

Quanto à intervenção – Lina Neves foi categórica ao falar sobre essa intervenção criminosa, que desempregou muitas pessoas e deixou os passageiros sem transporte. “Conforme constam nos autos do processo judicial movido contra o governo do Estado, no momento da intervenção a empresa possuía todos seus três ferries em funcionamento. Basta que se acesse os dados da EMAP e MOB, onde ficam registradas todas as viagens; inclusive, há provas dos danos causados pela gestão deficitária intervencionista ao ferrie “Cidade de Araioses”, entregue inoperante com a quebra do motor, desde junho de 2020, objeto de pedido de indenização protocolado após a primeira intervenção; e um outro ferrie – “Cidade de Tutóia” –, que acabou paralisado, totalmente sucateado e encostado, do qual foram retiradas peças de forma criminosa”, descreveu a verdadeira representante da Servi Porto.

Segundo Lina Rosa, o ferrie Baía de São José I foi recentemente paralisado com sérios problemas de alagamento, o que inutilizou os motores. “É fato verídico que atualmente todos os ferries da empresa Servi-porto estão com problemas graves ocasionados pela má gestão durante a intervenção, estando seus proprietários preocupados não somente com seu património, mas com a possibilidade de a população maranhense não possuir nenhum de seus ferries operando nos próximos dias, caso esta intervenção se prolongue ainda mais. Cabe ressaltar que a empresa Servi-porto possui mais de 35 anos de existência e os herdeiros do Sr. Nemésio, que o acompanhavam na gestão da empresa, permanecem como proprietários e possuem o direito de administrá-la em conformidade com as leis brasileiras que garantem o património particular e o livre exercício da atividade empresarial, fatos estes que não condizem com as atitudes ocorridas nos últimos anos em nosso Estado”, finalizou a representante da Servi Porto.

Mostre mais

Artigos Relacionados

Um Comentário

  1. Consciência é o que todo ser humano deveria ter, pois é a partir daí que se forma o caráter, infelizmente há pessoas que ignoram na importância essa formação, por isso que convivemos com “rascunho de gente”. Trágico para um homem ter que escolher lutar contra uma doença ou proteger seu patrimônio construído com seu dinheiro, trabalho, ideias e sacrifícios, lutar contra “perseguições gananciosas”, pessoas traiçoeiras, hipócritas, covardes que se escondem atrás de órgãos governamentais usando poder do estado para tomar, ficar com bens que não lhes pertence.
    Hoje, a verdade aparece através da incompetência de terem tomado uma empresa privada, que sempre serviu a população, nunca deixou de fazer uma viagem, por causa da ambição e ganância mostrada através da destruição do patrimônio do empresário Nemésio Brandão Neves que sempre foi PRIVADO. Desde criança sempre foi apaixonado pelo mar, onde cresceu e trabalhou dentro do ramo marítimo, iniciando com pequenas lanchas até chegar na construção dos ferrys, onde acompanhava todo o processo de construção das embarcações.
    Conhecedor das marés, desse mar aberto, onde se faz presente o famoso BOQUEIRÃO, bancos de areia, sua experiência adquirida trabalhando sempre no ramo naval, deu a ele a experiência que a poucos pertencem, dificultando a navegação. Nesse nosso mar aberto o conhecimento está presente naquele que trabalha, respeita e tem conhecimento para navegar. Precisa ter sabedoria vasta e profunda para ampliar seu conhecimento, ampliar seus horizontes. Enfim todos os ferrys do MA teve sua inteligência presente mesmo os cedidos, “comprados” por outra empresa, devido a pressão dos PODEROSOS que não entendem, não sabem onde fica proa. Diante de uma perseguição “criminosa” baseada em mentiras e atos inconstitucionais, veio à falecer. Toda essa injustiça deu força à seus herdeiros que lutam contra ambição, traição e fatos que burlam leis, regras. Enfim, uma dica “já se perguntaram pq peixe da água doce (ferry do Pará)não se mistura com peixe da água salgada ou o inverso?)
    Ele trinca, se deteriora, quebra ou se afoga. Eles se destroem.

    Mais importante que perder ou vencer é lutar até ao final mantendo sua identidade e seu caráter.
    O sucesso depende tanto do esforço como da atitude certa para fazer acontecer!
    Eu não me importo com o que os outros pensam sobre o que eu faço, mas eu me importo muito com o que eu penso sobre o que eu faço. Isso é caráter.

    O verdadeiro caráter de um homem irá se manifestar apenas quando lhe for delegado poderes; pois quando tiver o destino de outros à sua mercê é chegada a hora de avaliar que tipo de animal habita o seu ser.

    habilidade pode te levar ao topo, mas é preciso caráter para te manter lá.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
error: Conteúdo protegido!!!