MARANHÃO

Yglésio Moysés denuncia taxa de 30% e 50% cobrada na venda antecipada de passagem de ferryboat

Batizada de "taxa de conveniência", a cobrança foi autorizada pela Agência de Mobilidade Urbana (MOB)

O deputado Yglésio Moysés (PSB), conhecido pelos maranhenses como o parlamentar que enfrenta gigantes na política e no judiciário, mais uma vez fez jus ao cargo que exerce na Assembleia Legislativa do Maranhão (Alema). O parlamentar usou a tribuna da Alema para fazer uma denúncia grave e chamou a atenção das autoridades como Ministério Público e Procon-MA.

Yglésio criticou durante sessão plenária desta terça-feira (6), empresas que administram o serviço de ferryboat no Maranhão (Servi Porto, Internacional Marítima, Henvil e Banav) por uma cobrança criminosa batizada pela MOB de “taxa de conveniência”, durante a compra antecipada de passagem de veículos para fazer a travessia da Ponta da Espera ao porto do Cujupe via ferryboat por meio de um tal recurso chamado “Hora Marcada”.

Segundo o parlamentar, a ferramenta, disponilizada pela Internet, possibilita o embarque em horário previamente agendado, mas a “taxa de conveniência”, que varia de 30% a 50%, é “totalmente abusiva” e também está sendo cobrada na bilheteria nos terminais de Cujupe e Ponta da Espera. Além do passageiro ter que se deslocar quase 50 KM até o terminal da Ponta da Espera para comprar a passagem, ainda tem o desprazer de comprar 2 passagens e pagar 3, caso queira viajar no final de semana ou feriado.

“O ferryboat é um transporte muito importante por encurtar muitos percursos, além de que muitas pessoas vão para o trabalho por meio dele. Portanto, é inaceitável que sejam cobradas taxas tão altas”, frisou o parlamentar, ao garantir que vai brigar para resolver esse problema e evitar que o povo seja explorado.

O deputado garantiu, ainda, que denunciará as empresas envolvidas ao Ministério Público do Maranhão e ao Procon-MA. “Vamos procurar os órgãos responsáveis para que sejam tomadas as medidas cabíveis a fim de reduzir as referidas taxas para os valores atuais de mercado, que são de 6% a 14%”, concluiu o único parlamentar até em comprar a briga e defender os direitos dos baixadeiros.

É bom lembrar, que todo esse transtorno e exploração foi autorizado pela MOB através da portaria Nº 477/2022, datado da última quarta-feira, dia 30 de novembro e que entrou em vigor dia 01 de dezembro.

Mostre mais

Artigos Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo