SÃO LUÍS

Câmara de São Luís torra mais de R$330 mil com Beffet

O contrato teria sido assinado em 20 de maio de 2019 pelo presidente Osmar Filho

Dinheiro público na Câmara Municipal de São Luís sempre foi uma dor de cabeça para as autoridades fiscalizadoras do Maranhão. Mas para muitos vereadores, isso não é problema, pelo contrário é solução em dose dupla. Nos últimos 10 anos a Câmara foi envolvida em vários escândalos, incluindo o “Emendão”, que até hoje não teve fim, o “Esquemão” que envolveu a Câmara e o Bradesco, além daqueles que pouco foram divulgados.

Por ser uma Casa Legislativa com mais de 400 anos de história, quem a dirige, pouco está preocupado com a história da quarta Senhora mais antiga do Brasil, entre as casas legislativas. Os absurdo continuam descaradamente, onde dinheiro público é gasto com coisas supérfluas, como por exemplo coffee Break, recheado de mil maravilhas.

Em uma série batizada de “Gastos Supérfluos” em que o Portal G7 vai analisar gastos realizados em Câmaras Municipais, mostrará a verdadeira “Caixa Preta” desses 217 aviões, chamados câmaras municipais. Começaremos pela Câmara de São Luís, onde encontramos um verdadeiro derramamento de dinheiro público e mostraremos passo a posso a partir de agora.

Em uma breve pesquisa no Portal da Transparência da Câmara Municipal de São Luís, encontramos inúmeros absurdos, que vão de contratos exorbitantes, gastos com gasolina, entre outros atos suspeitos. Mas o que chamou atenção logo no início foi um contrato da Câmara com a empresa Prime Consultoria, Treinamentos e Serviços EIRELI, CNPJ: 12.032.656/0001-75, localizada na Rua José Bonifácio, Nº 14, bairro Cohama/São Luís, aberta em 18 de maio de 2010, com capital social de R$850.000,00 (oitocentos e cinquenta mil reais), de propriedade de NIRVANDO BUHATEM MATOS, para fornecimento de Biffet e Coffee Break no valor de R$333.000,00 (trezentos e trinta e três mil reais) com duração de 12 meses (um ano). A grande questão é que a Câmara Municipal realiza sessões apenas segunda, terça e quarta, começando as vezes 10h e encerrando no máximo 12h, quanto dá quórum.

De acordo com documentos obtidos no Portal da Transparência, o contrato teria sido assinado em 20 de maio de 2019 pelo presidente da Câmara, Osmar Gomes dos Santos Filho (Osmar Filho) e pelo representante da empresa Prime, Nirvando Buhatem Matos, com validade até maio de 2020. Parte desse contrato vigorou durante o período da pandemia de Covid-19. Mas o mais grave é que no mesmo dia, a Câmara Municipal também assinou um contrato de quase R$900.000,00 (novecentos mil reais) com a empresa Ilha Promoções e Eventos EIRELI para também forneceria Biffet e serviços de organização de eventos.

No cardápio exigido pelo contrato, a Prime teria que entregar entre as iguarias: berinjela em pasta em torrada de pão Sírio, queijo prato, mussarela, queijo branco branco fresco, ricota, presunto de peru defumado, presunto de peru light, mini canapês, cafés, chás, cappuccino, água de coco, rissoles, camarão empanado, patinha de caranguejos, bolinha de queijo e presunto, bolinha de bacalhau, cartucho de camarão, pastel húngaro, espetinho de frango com manga, profiteroles salgado, quiche lorraine, canapê de tomate seco, tartelete de bacalhau ou caranguejo, coquetel de frutas sem álcool, espaguete fusilli, lasanha, ravioli, frango, carne, peixe, peru, camarão, canapês de frango defumado, voul-au-vant de camarão, voul-au-vant de bacalhau, arroz a grega e de brócolis,  mousse de maracujá, bacuri, cupuaçu, chocolate e limão, pavê, entre tantas outras iguarias mostradas abaixo.

Enquanto famílias ludovicenses passam por dificuldades financeiras, sem ter o mínimo para comer, a Câmara Municipal de São Luís torra mais de R$330 mil reais com Coffee Break recheado de produtos, que 99% dos ludovicenses nunca provaram na vida. Dinheiro público sendo gasto com coisas supérfluas.

Mostre mais

Artigos Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
error: Conteúdo protegido!!!