ARTIGO

Coronavírus X cardiopatias: por que a infecção prejudica o coração

Cardiologista do Hospital São Camilo explica como o Covid-19 pode causar comprometimento cardíaco

Pacientes com cardiopatias preexistentes são considerados grupo de risco e podem apresentar complicações quando infectados com o novo Coronavírus.

Mas, e quem não tem problemas cardíacos anteriores, por que vem apresentando com frequência sinais de acometimento agudo no coração após o diagnóstico de Covid-19?

De acordo com o Dr. Luiz Guilherme Velloso, cardiologista da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo, os números do comprometimento cardíaco em pacientes que não possuíam cardiopatias apontam:

– Elevação de marcadores de lesão miocárdica, como as enzimas cardíacas, chamadas troponinas (em 25,6% dos pacientes);

– Alterações eletrocardiográficas e de redução de dimensões (contratilidade) do ventrículo esquerdo (7-17%);

– Frequência cardíaca anormal, mais conhecida como arritmias (16,7%).

Além disso, há até mesmo casos relatados de choque circulatório por falência cardíaca aguda.

“Acredita-se que a agressão viral direta às células do músculo cardíaco [miocardite aguda] possa ter papel relevante nestes achados, mas a oferta inadequada de oxigênio aos tecidos cardíacos, devido à lesão pulmonar ou choque, pode também contribuir para o quadro”, explica Velloso.

Outro mecanismo de infarto agudo do miocárdio em pacientes que testaram positivo para Coronavírus é a oclusão de artérias coronárias com lesões prévias por trombo plaquetário – situação que é muito facilitada pelas alterações metabólicas de uma infecção grave, como é o caso da infecção por Covid-19.

Segundo o cardiologista, as células do músculo cardíaco (miocárdio) apresentam em sua membrana grande quantidade de receptores para a enzima conversora do angiotensina (ACE-2), assim como ocorre com as células do tecido pulmonar.

“Os Coronavírus parecem se ligar a estes receptores para invadir as células. Acredita-se que a presença destes receptores ACE-2 possa estar ligada à lesão de células musculares do coração pelo Covid-19, com manifestações clínicas e laboratoriais expressivas”, destaca.

Rede de Hospitais São Camilo

A Rede de Hospitais São Camilo é composta por três hospitais modernos em São Paulo, que ficam nos bairros da Pompeia, Santana e Ipiranga, capacitados para atendimentos eletivos, de emergência e cirurgias de alta complexidade, além de realizar transplantes de medula óssea.

Hoje, a Rede presta atendimento em mais de 60 especialidades, oferece aproximadamente 800 leitos e um quadro clínico de mais de 7,4 mil médicos qualificados.

As unidades possuem importantes acreditações internacionais, como a Joint Commission International (JCI), renomada acreditadora dos Estados Unidos reconhecida mundialmente no setor, e a Acreditação Internacional Canadense.

A Rede faz parte da Sociedade Beneficente São Camilo, uma das entidades que compreende a Ordem dos Ministros dos Enfermos (Camilianos), uma organização religiosa presente em mais de 30 países, fundada pelo italiano Camilo de Lellis há mais de 400 anos. No Brasil desde 1922, a Rede conta com expertise, tradição em saúde e gestão hospitalar.

Informações à imprensa: Máquina Cohn & Wolfe
imprensa.saocamilo@maquinacohnwolfe.com
+55 11 2972 8090 | +55 11 3147 7920/7418 | c: +55 11 97066 0089

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo