MARANHÃO

Desembargadores maranhenses receberam mais de R$200 mil em janeiro

Juízes também estão entre os beneficiários de indenizações, com valores que variam entre R$ 60 mil a R$ 90 mil

Enquanto existir essa disparidade social, onde milhões comem lixo e meia dúzia de privilegiados almoçam e jantam picanha assada em grelha de ouro, o Brasil vai continuar rico com uma população pobre miserável. Quem deveria dar bons exemplos, acaba mostrando que no Brasil tudo pode, inclusive, fazer o errado como se estivesse certo. É como se um criminoso, tentasse fazer justiça ou combater o crime cometendo crime.

Segundo publicou o jornalista Isaías Rocha, Desembargadores do Tribunal de Justiça do Maranhão (TJ-MA) receberam ao longo de 2021, subsídios que ultrapassam em mais de 7 vezes o teto remuneratório dos membros da própria magistratura maranhense, que varia de R$ 30.404,47 para juiz substituto à R$ 35.462,28 para desembargador, conforme levantamento realizado pelo blog do Isaias Rocha.

A folha de subsídios do TJ-MA aponta que desembargadores e juízes, mesmo aqueles que acabaram de ingressar na carreira, chegam a ganhar mensalmente de R$ 60 mil a R$ 391 mil. Foi, principalmente, devido a indenizações por férias não gozadas que os vencimentos dos magistrados ultrapassaram os mais de R$ 300 mil brutos, ou até líquidos (já com descontos de Imposto de Renda e Previdência) ao longo do ano passado.

A maior remuneração foi de R$ 421.207,91 brutos, ou R$ 391.935,64 líquidos, que coube ao desembargador Jaime Araújo, que se despediu da Corte, em novembro. Foram R$ 129.390,20 de indenizações e R$ 250.569,70 em direitos eventuais.

A desembargadora Anildes Cruz se aposentou em novembro e recebeu, de uma vez, R$ 268.402,34 brutos, figurando como um dos maiores contracheque do ano. Em seguida, o desembargador José Bernardo, aposentado em janeiro de 2021, com R$ 200 mil liquido recebido em dezembro.

Os juízes também estão entre os beneficiários das verbas extras, com valores que variam entre R$ 60 mil a R$ 90 mil. O juiz Paulo Gomes, titular da 1ª Vara Criminal da Comarca de Caxias, recebeu R$ 78.966,45. Por sua vez, o juiz Paulo Ribeiro, da 1ª Vara de Vargem Grande, abocanhou R$ 70.271,80.

Além do portal da transparência, as planilhas que detalham as remunerações de cada magistrado, com a identificação dos elementos que compõem esses pagamentos, também estão disponíveis desde 2017, no site do CNJ (Conselho Nacional de Justiça).

Só um entre eles

No inicio deste mês, o juiz Carlos Roberto Gomes de Oliveira Paula chegou a apresentar requerimento ao TJ-MA pedindo para abrir mão dos 30 dias adicionais de férias a que os magistrados têm direito, além dos 30 dias de descanso remunerado assegurados aos demais trabalhadores brasileiros. Ele, entretanto, teria sido o único entre seus pares a tomar essa atitude.

Burlando o teto

Verbas de caráter indenizatório escapam ao teto constitucional, legalmente. Em tese, nenhum funcionário público do país pode receber mais que um ministro do Supremo Tribunal Federal (STF). O subsídio de um ministro é de R$ 39.293,32 brutos.

Mas algumas verbas não estão submetidas ao limite. O auxílio-alimentação, 13º e a indenização de férias, por exemplo, podem ultrapassar o teto sem problemas.

Isso quer dizer que, em determinados meses, um procurador, assim como um juiz ou desembargador, pode receber mais que um ministro do STF.

Por Isaías Rocha

Mostre mais

Artigos Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo
error: Conteúdo protegido!!!