MARANHÃO

Dono da Construmaster diz que denunciou Braide por corrupção ao MP-MA e TCE-MA

Mesmo achando que não tem nada a explicar na CPI dos Contratos, Calisto pode ser convocado pelo colegiado

O empresário Antônio Calixto, sócio-proprietário da Construmaster Construções e Locações, emitiu nesta terça-feira (2) uma nota oficial após a revelação das graves acusações que fez em rede social contra a gestão do prefeito de São Luís, Eduardo Braide (PSB). Calisto faz graves acusações e chega a dizer que foi extorquido.

Antes disso, o presidente da Câmara Municipal, vereador Paulo Victor (PSB), apresentou requerimento à CPI dos Contratos Emergenciais solicitando que Antônio Calisto fosse convocado pela CPI para que preste esclarecimentos ao colegiado sobre possíveis irregularidades na gestão municipal, em tese na SEMOSP.

No comunicado, Calisto diz que não tem o que contribuir com a CPI, mas afirma que tudo o que precisava denunciar sobre essa suposta corrupção na gestão Braide teria sido encaminhado ao Ministério Público do Maranhão (MPMA) e ao Tribunal de Contas do Estado do Maranhão (TCE-MA), além de ser alvo de um mandado de segurança em tramitação na Justiça.

Em contato com o Imirante.com, o advogado Alex Borralho, que representa a empresa Construmaster, adiantou que o empresário deve também emitir uma nota pessoal com esclarecimentos sobre o teor da sua publicação nas redes sociais.

O Imirante procurou a Prefeitura de São Luís, por meio de sua assessoria de comunicação para comentar as declarações do seu proprietário Antônio Calisto, mas a gestão Baride não deu retorno.

Leia a íntegra do Comunicado:

CONSTRUMASTER CONSTRUÇÕES E LOCAÇÕES, pessoa jurídica de direito privado inscrita no CNPJ sob nº 12.463.759/0001-90, com sede na Rua da Amizade, casa 06, quadra 04, Jardim Eldorado, São Luís-MA, CEP: 65067-170, vem, através da presente, EMITIR NOTA PÚBLICA, da seguinte forma:

A empresa tomou conhecimento que a Comissão Parlamentar de Inquérito, da Câmara Municipal de São Luís-MA, mencionou nosso sócio como alguém que poderia contribuir para esclarecimentos sobre irregularidades (ilegalidades) na Administração Pública Municipal.

Tais fatos merecem esclarecimentos:

a) a empresa participou da licitação Concorrência nº 001/2023/CPL/PMSL (Proc. Adm. 060-1858/2022-SEMOSP), a qual restou vencedora;

b) na fase final do certame a administração pública resolveu revogar a licitação e contratar diretamente outra empresa, por valor mais elevado;

c) entendendo que tal decisão administrativa causaria dano ao erário, a empresa noticiou os fatos ao Ministério Público Estadual, notícia de fato nº 025453-500/2023;

d) da mesma forma, levou os fatos ao Tribunal de Contas do Estado, processo nº 2894/2023;

e) ainda, buscou o Poder Judiciário através da impetração de Mandado de Segurança, nº 0856783-20.2023.8.10.0001.

Com isso, tudo que a empresa e seu sócio poderiam contribuir com a CPI, assim como com o jornalismo investigativo, estão presentes nos processos (administrativos e judicial) acima epigrafados, sendo todos públicos, inclusive a Concorrência Pública da SEMOSP.

Os demais fatos mencionados, os quais nos chegaram através de blogs, são de total desconhecimento da empresa, razão pela qual finaliza-se esta Nota.

São Luís, 02 de julho de 2024.

Por Imirante

Mostre mais

Artigos Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo