NOTÍCIAS

GREVE: Eduardo Braide continua de joelhos para empresários do transporte coletivo

Por conta de interesses eleitorais, Braide não aumentará preço das tarifas de ônibus e acaba refém dos empresários do setor

A decisão de prorrogar, por mais dois meses, o auxílio emergencial ao setor do transporte público da capital, mostrou que o prefeito Eduardo Braide (Podemos) está refém dos empresários. Após semanas de reunião, eles conseguiram o que queriam: manter o valor que recebem dos cofres públicos. Mesmo assim, a capital maranhense vai amanhecer nesta quarta-feira (16) sem ônibus.

A prefeitura havia ameaçado não estender o subsídio das empresas, batizado pela gestão bradista, como ‘auxilio emergencial’. O beneficio é maior do que três áreas da gestão. O prefeito teria afirmado que os consórcios precisavam prestar um serviço melhor para enfrentar a concorrência dos ‘carrinhos’, transporte alternativo e dos aplicativos de transporte visando, com isso, elevar os lucros.

Em vez disso, as empresas conseguiram atrair os funcionários para sua reivindicação e colocar a cidade sob o risco iminente de paralisação dos transportes. Para isso, bastou ameaçar demitir todos os cobradores.

Diante da situação polêmica, o chefe do Executivo cedeu mais uma vez. O custo chega a R$ 11,5 milhões, somados todos os pagamentos. Foram R$ 7,5 milhões entre outubro a dezembro. Com a prorrogação, entretanto, o subsídio ao setor de transporte público, a ser repassado nos meses de fevereiro e março, será de R$ 2,5 milhões e mais R$ 1,5 milhão, por meio do programa “Cartão Cidadão”.

A prorrogação foi efetivada no início do mês de fevereiro, mas o pagamento já teria sido efetivado em janeiro. O grande problema é que a cara solução adotada só adia o problema. As empresas já avisaram que aceitam a “trégua” apenas por 90 dias. Os empregados, idem.

Depois desse prazo, dizem que ou o valor da tarifa sobe ou a prefeitura segue com o subsídio. Nada contra subsídios para o transporte. O ponto é que o preço que o cidadão paga por um serviço essencial não pode estar subordinado ao interesse eleitoral do governante.

É bastante provável que as ameaças de greve ou as paralisações, como as que vinham ocorrendo desde a semana passada, voltem a pressionar o prefeito Eduardo Braide, que, a julgar pela habilidade apresentada até agora, deve mais uma vez abrir os cofres da prefeitura para cobrir ‘eventuais prejuízos’ dos empresários.

Por Isaías Rocha

Mostre mais

Artigos Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo
error: Conteúdo protegido!!!