NOTÍCIAS

Ressaca do Carnaval no MA será curada com o aumento do ICMS

O aumento de ICMS passa a valer desta terça-feira de carnaval; combustíveis e outros produtos mais caros no Maranhão

Quem acordou de ressaca nesta terça-feira, sentiu um gosto amargo no bolso ao saber que a inflação vai mandar em alguns produtos no Maranhão. Sancionada no dia 8 de dezembro do ano passado, começa a valer efetivamente nesta terça-feira (5), a Lei nº 10.956, que reajusta alíquotas de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) da gasolina, diesel, biodiesel, bebidas alcoólicas, refrigerantes, dentre outros, em todo o Maranhão.

Esse é o terceiro aumento do tributo na gestão do governador Flávio Dino (PCdoB) – os outros dois ocorreram em 2015 (ano em que assumiu o comando do Estado) e em 2017. Segundo a nova legislação que trata do imposto, a maior alta se deu nas operações de produtos como refrigerantes, energéticos, isotônicos, embarcações de esporte e de recreação – inclusive esquis aquáticos, kites e jets skis, rodas
esportivas para automóveis e drones, por exemplo.

Para essas categorias, o ICMS a ser cobrado passa de 25% para 28,5%. A gasolina passa de 26% também para 28,5%. Além disso, o governador acrescentou óleo diesel e biodiesel à lista de produtos que recebem um adicional de dois pontos percentuais na alíquota do mesmo ICMS. Nesse caso, o imposto sobre esses produtos subiria de 16,5% – já de acordo com a nova lei -, para 18,5%.

Impacto – Como a alta do combustível impacta diretamente em toda a cadeia de transportes, há previsão alta nos preços de alimentos, por exemplo.

Tomando como base os valores atualmente praticados em São Luís, o presidente do Sindicato dos Revendedores de Combustíveis do Maranhão (Sindcombústíveis-MA), Leopoldo Santos, revelou, no fim do ano passado, que o valor do litro da gasolina na capital pode voltar ao patamar próximo de R$ 4,10.

Em toda a cidade, atualmente, a média do preço do litro da gasolina varia entre R$ 3,98 e R$ 4,00, na maioria dos casos. O preço de referência para cálculo do ICMS, estipulado pelo governo, é de R$ 4,03. De acordo com Santos, ao elevar a alíquota sobre esse combustível de 26% para 28,5%, o Executivo deve provocar uma alta média de 8 centavos em cada litro de gasolina.

Os aumentos do ICMS

2015 – o Executivo reajustou de 17% para 18% a alíquota de ICMS nas operações internas com mercadorias; nas prestações de serviços de transporte; no fornecimento de energia elétrica; no transporte interestadual de mercadorias ou serviços; nas importações de mercadorias ou bens do exterior; e sobre o transporte iniciado no exterior. Refrigerantes, agrotóxicos e ração animal entraram na categoria de “artigos de luxo ou supérfluos” e também tiveram imposto aumentado.

2017 – nova lei aumentou o ICMS da energia elétrica (de 12% para 18% para quem consome até 500 quilowatts-hora por mês; e de 25% para 27% para quem consome acima de 500 quilowatts-hora/mês), combustíveis (álcool e gasolina, de 25% para 26%); além de cigarros, TV por assinatura, telefonia e internet (todos de 25% para 27%).

2018 – governador Flávio Dino sancionou lei que aumentou o ICMS de refrigerante, energéticos, isotônicos, embarcações de esporte e de recreação (de 25% para 28,5%); o da gasolina passou de 26% para 28,5%; o do óleo diesel e do biodiesel subiu de 16,5% para 18,5%.

“Um brinde amargo”, avalia Adriano sobre aumento

Um dos que votaram contra a lei do aumento do ICMS no Maranhão, o deputado estadual Adriano Sarney (PV), líder da Oposição na Assembleia Legislativa, apontou o reajuste de alíquotas como “um brinde amargo” em plena terça-feira de carnaval.

Ele se diz contra a transferência de recursos dos trabalhadores maranhense para o que considera um “governo eficiente”. “Os foliões nesta terça feira de carnaval ganham do governo comunista um brinde amargo: produtos e serviços mais caros devido a entrada em vigor do aumento de impostos. Como um dos poucos deputados a ter votado contra mais esse absurdo, lutarei sempre contra essa transferência do suado dinheiro das trabalhadoras e trabalhadores maranhenses para o governo ineficiente e irresponsável que não consegue ao menos manter um sistema de saúde digno, infraestrutura razoável ou segurança aos nossos lhos.

Outro membro do PV, o deputado César Pires lembrou que a oposição lutou para evitar o aumento, mas sem sucesso, diante da prevalência da bancada governista no plenário da Assembleia. “Infelizmente, mais uma vez o governo aumenta a carga tributária que já é pesada para os maranhenses. Nós da oposição lutamos para evitar que a nossa população fosse mais uma vez prejudicada pela má gestão do governo estadual, mas somos minoria no Parlamento”, declarou.

Por Gilberto Léda (O ESTADO)

Mostre mais

Artigos Relacionados

Um Comentário

  1. O carnaval passou, e o que fica é apenas a alta dos impostos! Adriano votou contra o aumento dos impostos, fez o que é certo, ficou ao lado do povo! Que ele continue assim, lutando pelo povo e fiscalizando as maldades do Governo Dino!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo