JUSTIÇA

Jornalista e Médico são presos por extorsão em Teresina-PI

Quebra de sigilo telefônico comprova extorsão do jornalista Arimatéia Azevedo a médico

A quebra do sigilo telefônico do jornalista Arimatéia Azevedo e do professor da UESPI, Francisco de Assis Barreto, autorizadas pela Justiça, comprovaram a denúncia de extorsão qualificada, praticada contra um médico de Teresina, que resultou nas prisões dos dois acusados nas primeiras horas da manhã desta sexta-feira (12), pelo Grupo de Repressão ao Crime Organizado (GRECO), na Capital.

Na decisão que autorizou a expedição dos mandados de prisão solicitados pela Polícia Civil do Piauí, o juiz da Central de Inquéritos, Valdemir Ferreira Santos, ressaltou “que foi solicitada a interceptação telefônica dos investigados, através da qual foi possível constatar a veracidade dos fatos narrados pela vítima, tendo em vista o cruzamento das ligações entres os investigados e a vítima, indicando que houve uma série de tentativas de negociações prévias, antes que o crime se consumasse, bem como a forma como se deu a consumação deste delito”, diz trecho da decisão.

Arimateia Azevedo

Jornalista Arimatéia Azevedo, editor de um Portal de Notícias o Estado do Piauí. Foto: Facebook

Como se deu a extorsão

Em 22 de fevereiro de 2020, o médico (vítima) procurou a sede do GRECO, onde prestou depoimento, relatando que em 06 de janeiro deste ano, José de Arimatéia Azevedo publicou no portal AZ uma matéria contendo informações a respeito de um problema ocorrido durante um procedimento cirúrgico realizado pelo médico, expondo-o de forma negativa.

Um dia após a publicação da reportagem, um interlocutor de Arimatéia de Azevedo entrou em contato com a vítima, afirmando que o jornalista havia declarado que novas matérias seriam publicadas, a menos que fosse realizado um acordo financeiro com o objetivo de travar as publicações.

Nesse mesmo dia, o jornalista entrou em contato com a vítima, informando que havia um dossiê contra o médico, que a vítima deveria aceitar fazer um acordo financeiro a fim de que o conteúdo não fosse ao ar. No dia 08 de janeiro, Francisco de Assis Barreto, homem de confiança do jornalista, passou a manter contato com a vítima, com o objetivo de informar como se daria o acordo, a princípio, no valor de R$ 50 mil e que depois baixou para R$ 20 mil, dividido em duas parcelas.

  • Professor Francisco BarretoFrancisco de Assis  Barreto, Professor da Universidade Estadual do Piauí (UESPI). Foto: Facebook

A vítima acabou cedendo às pressões e realizou o pagamento em duas vezes, o último deles em 21 de janeiro de 2020. A partir dessa data, o médico não foi mais procurado pelos acusados e resolveu levar o caso ao conhecimento do GRECO no dia 22 de fevereiro, que deu início às investigações que culminaram com as prisões na manhã desta sexta-feira (12).

Todas as informações relatadas no depoimento do médico, foram comprovadas a partir da quebra de sigilo telefônico.

Arimatéia já havia sido preso em 2005

De acordo com o delegado responsável pelo inquérito, Laércio Evangelista, o jornalista Arimatéia Azevedo já havia sido preso no ano de 2005 por crime de extorsão e, atualmente, responde a outros processos. “O jornalista já foi preso em 2005, usando essa mesma modalidade delitiva de extorsão e, além disso, já responde a diversos outros inquéritos por calúnia, difamação, ameaça e mesmo extorsão”, frisou o delegado.

NOTÍCIA RELACIONADA

Jornalista Arimateia Azevedo é preso pelo GRECO em Teresina

Por GP1/PI

 

 

Mostre mais

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo