JUSTIÇA

Prejuízo irreparável: Documentário mostra diagnóstico de obras paralisadas em Porto Rico do Maranhão

Reportagem especial flagra dinheiro público sendo jogado fora e como desperdício afeta a vida de milhares de portoriquenses

A um olhar cético, o documentário batizado de “Prejuízo sem fim” pode parecer apenas mais uma denúncia envolvendo a gestão da prefeita de Porto Rico, Tatyana Mendes (PCdoB). No entanto, a sequência de cenas filmadas e projetadas pode representar mais do que isso: faz um levantamento realizado das obras públicas paradas ou atrasadas no município.

Com base em um estudo dos principais órgãos de controle e fiscalização, um cinegrafista teve a iniciativa de conferir in loco para constatar as irregularidades que mostram obras paralisadas em diversos povoados daquela cidade.

O vídeo da reportagem especial que viralizou nas redes sociais e grupos de WhatsApp mostra o fracasso de investimentos milionárias também faz um recorte de como esse desperdício afeta a vida de milhares de portoriquenses.

É incalculável o prejuízo que provoca uma obra inacabada ou cujo prazo de entrega para a população se atrasa indefinidamente. São recursos públicos destinados a determinadas construções que acabam se perdendo.

A partir de hoje, você vai conhecer as histórias de portoriquenses que correram atrás de um sonho: trabalhar, prosperar, dar uma vida mais digna pra família. Mas todas essas pessoas acabaram sem nada, por causa da corrupção que desvia milhões de reais do dinheiro público naquele município.

Um retrato revoltante do descaso de muitos administradores com os recursos públicos. Um deles, por exemplo, o ex-prefeito César Martis – pai da atual prefeita Tatyana – que já foi condenado pela Justiça maranhense por uma série de irregularidades com o dinheiro público. A situação é tão complexa, e triste ao mesmo tempo, que o genitor está com os direitos políticos suspensos impedido até mesmo de votar em sua filha.

Mostre mais

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo