POLÍTICA

Roberto Rocha não conseguiu tomar o PL de Josimar, mas tomou o PTB de Lahésio

Em uma Nota, publicada pelo senador bolsonarista, ele tenta demonstrar que não teria tomado o partido de Lahésio

Sem nenhuma expressão no cenário político do Maranhão e depois de uma saída conturbada do PSDB, Roberto Rocha de apadrinhou com Bolsonaro para tentar a todo custo tomar o PL de Josimar no Maranhão. Rocha não conseguiu, já que Valdemar da Costa Neto, presidente nacional da Sigla, não confia no senador Roberto Rocha. Às vésperas do fim da janela partidária, o filho de Roberto Rocha aprontou uma pra cima do prefeito de São Pedro dos Crentes, com a ajuda de Flávio Bolsonaro e Mical Damasceno.

Segundo o pré-candidato ao governo do Estado, Lahesio Bonfim afirmou que foi surpreendido com uma ligação no qual teriam afirmado que era para ele deixar o PTB, pois o partido seria transferido para o senador Roberto Rocha, após umas das suas “articulações” em Brasília. A ligação foi confirmada em uma nota publicada por Roberto Rocha, que diz ainda ter aval de Flávio Bolsonaro, Mical e Roberto Jefferson.

Há 6 dias, Lahesio Bonfim e Roberto Rocha estiveram juntos em Brasília. Mas o que o prefeito de São Pedro dos Crentes, não sabia, era que Roberto Rocha estaria armando uma casinha para ele. Segundo o senador Roberto Rocha, os dois estariam em sintonia pois compartilhavam dos mesmos sonhos e as mesmas ideias. Tudo balela, já que Roberto tentava transparecer que seria aliado de Lahésio, mas por trás estaria tramando tomar o PTB do prefeito interiorano.

Em vídeo, Lahesio reclamou do comportamento de Roberto Rocha e falou que não precisava o senador fazer isso. “Fico triste, porquê também estive com o senador outro dia, e não esperava isso dele de forma alguma. Se ele precisava do PTB, não precisava fazer jogo de cena não”, afirmou Lahesio.

Enfrentando outra polêmica envolvendo partidos políticos, Roberto Rocha publicou uma Nota de Esclarecimento em suas redes sociais afirmando que foi convidado por Roberto Jefferson, uma das lideranças do PTB para se filiar no partido. Só que a mesma nota, dia que houve uma ligação para Flávio Bolsonaro e Mical.

“Fui convidado para ingressar no partido. Que cada um assuma suas responsabilidades, êxitos e fracassos. É da política. Não há espaço para vitimizações. Não tomei o partido de ninguém. Muito ao contrário, quis preservar o que já era de cada um, sem determinar desde agora se saio para a disputa ao Governo ou ao Senado”, afirmou Roberto Rocha.

Recentemente, Roberto Rocha estava tentando a todo custo tomar o Partido Liberal (PL) do deputado federal Josimar de Maranhãozinho no estado. Apesar de negar a sua investida, fontes afirmaram que o senador, juntamente com um dos filhos de Bolsonaro, foram pessoalmente pedir a cabeça de Josimar para o presidente do PL, Valdemar da Costa Neto. Porém a sua investida foi fracassada devido a graça força e articulação política que Josimar têm dentro do estado.

Outro caso polêmico envolvendo Roberto Rocha aconteceu nas eleições de 2020. Durante a corrida eleitoral, Roberto Rocha negou legenda a próprio membro do partido, o deputado estadual Wellington do Curso, mesmo o mesmo aparecendo em 2º colocado nas pesquisas eleitorais para disputar a vaga de prefeito em São Luís. No caso parecido com o de Lahesio, Roberto Rocha declarou que Wellington seria candidato do PSDB e na reta final mudou de ideia, decidindo apoiar Eduardo Braide, que se tornou prefeito e hoje se beneficia politicamente desta manobra política.

Sem chances para o governo, nem muito menos para o Senado, Roberto Rocha dependerá de uma eventual reeleição de Bolsonaro para sobreviver politicamente.

VEJA A NOTA DE ROBERTO ROCHA NA ÍNTEGRA ABAIXO:

                                                    A VERDADE DOS FATOS

Na política, muitas vezes, as versões se sobrepõem aos fatos. Porém vamos os fatos, pois contra fatos, não há argumentos.

Nas últimas semanas vinha tratando do meu ingresso num partido, para disputar um cargo majoritário. Conversei com pelo menos sete partidos, nenhum deles era o PTB. Estava, pela disposição do presidente Bolsonaro, quase certo de ingressar no PL, o que não foi possível por contingências locais.

Desde a semana passada havia agendado um almoço com Roberto Jefferson, importante liderança do PTB, a convite dele, que queria me agradecer por o ter ajudado com algumas questões partidárias aqui em Brasília. Como eu já possuía compromissos nos outros dias, marcamos para quarta-feira.

Então, ontem, almoçamos juntos, ocasião em que ele me convidou para ingressar no PTB. Eu perguntei a ele sobre a situação do prefeito Lahesio e me foi dito que, por outras questões, a permanência dele no partido não seria viável. Na frente de Roberto Jefferson, telefonei para a deputada Mical, que me confirmou a informação.

Logo em seguida ligamos em vídeo para o senador Flavio Bolsonaro. Falamos os três juntos e concordamos que minha entrada no PTB seria um bom caminho para o enfrentamento dos embates eleitorais com o grupo que hoje está no poder.

Portanto, fui convidado para ingressar no partido. Que cada um assuma suas responsabilidades, êxitos e fracassos. É da política. Não há espaço para vitimizações. Não tomei o partido de ninguém. Muito ao contrário, quis preservar o que já era de cada um, sem determinar desde agora se saio para a disputa ao Governo ou ao Senado.

Desejo toda sorte ao prefeito Lahesio, que é um companheiro do mesmo campo político. O tempo definirá em que momento estaremos juntos, de novo.

                                                                        Senador Roberto Rocha (MA)

VEJA O VÍDEO ABAIXO DE LAHÉSIO BONFIM SOBRE A TRAIÇÃO DE ROBERTO ROCHA:

 

Por Folha do Maranhão

Mostre mais

Artigos Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo
error: Conteúdo protegido!!!