POLÍTICA

Parlamentares maranhenses envolvidos no esquema do orçamento secreto de Bolsonaro

Saiba quem são os parlamentares e quanto recebeu cada um parlamentar. Veja se seu deputado está na lista

O Congresso Nacional enviou ao Supremo Tribunal Federal na segunda-feira, dia 9 de maio, mais de cem ofícios de parlamentares em que cada um informa quanto indicou do orçamento secreto, criado por Jair Bolsonaro para aprovar suas maldades na Câmara Federal. A medida cumpriu uma determinação da ministra Rosa Weber, que no ano passado chegou a suspender o pagamento das chamadas emendas de relator, base do esquema bolsonarista. O famoso bolsolão.

Segundo a Casa Legislativa Federal, 342 deputados e 64 senadores repassaram informações. Alguns deles, contudo, disseram não terem sido contemplados. Segundo levantamento do O GLOBO com base nos documentos, os parlamentares admitiram ter indicado R$ 11 bilhões, o que representa 30% dos R$ 36,4 bilhões que já foram liberados por meio das chamadas emendas de relator. Os 70% restante do orçamento secreto continua sem identificação.

Confira abaixo os parlamentares do Maranhão que indicaram no orçamento secreto. Pedro Lucas Fernandes, foi o campeão do Bolsolão.

  • Pedro Lucas Fernandes – R$ 95.580.276,43
  • Aluisio Mendes – R$ 70.457.514,00
  • Cleber Verde – R$ 35.201.512,30
  • Gastão Vieira – R$ 11.500.000,00
  • Gil Cutrim – R$ 17.989.824,00
  • Hildo Rocha – R$ 26.955.972,00
  • João Marcelo Souza – R$ 13.297.500,00
  • Josivaldo JP – R$ 16.624.900,00
  • Junior Lourenço – R$ 21.256.431,78
  • Marreca Filho – R$ 16.815.246,00
  • Gildenemyr – R$ 15.757.178,96
  • Eliziane Gama – R$ 22.923.993,18

Parlamentares não assumiram indicações

Apesar da determinação da ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), para que o Congresso Nacional desse transparência às indicações do orçamento secreto, a origem de 70% dos recursos das emendas de relator continua sendo um mistério. Levantamento feito pelo O GLOBO nos documentos entregues pelo Senado à Corte mostra que R$ 11 bilhões de um universo de R$ 36,4 bilhões foram integralmente mapeados, ou seja, identificados os responsáveis pelas destinações e as cidades por eles beneficiadas. A despeito de haver registros, como ofícios de órgãos públicos, há parlamentares que não assumiram indicações de recursos.

O orçamento secreto, criado em 2019, utiliza as emendas de relator (identificadas pelo código RP-9) para ampliar, sem transparência, a quantia de recursos públicos que congressistas podem enviar a seus redutos eleitorais. O mecanismo tem sido usado pelo governo de Jair Bolsonaro para angariar apoio no Congresso, beneficiando deputados e senadores que se alinham ao Palácio do Planalto em votações, por exemplo. As distorções provocadas por esse sistema motivaram o STF a determinar que os nomes de todos os beneficiários fossem revelados.

Após a ordem, deputados e senadores foram instados pelo presidente do Congresso, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), a informarem quanto e para onde enviaram as fatias a que tiveram direito do orçamento secreto. Os documentos reunidos por Pacheco têm informações de 404 dos 594 congressistas. Outros 190, contudo, não prestaram contas.

Com informações de O Globo.

Mostre mais

Artigos Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo
error: Conteúdo protegido!!!