BABADO DA SEMANA

Flávio Dino continua massacrando prefeitos opositores de municípios onde existem hospitais de 20 leitos

Os repasses que deveriam ser enviados ao municípios, Flávio Dino finge que não sabe, mas cobra de Bolsonaro pelo mesmo motivo

A diferença entre Flávio Dino e Jair Bolsonaro é somente o tamanho da ignorância. Quando o assunto é saúde, o governador do Maranhão faz com seus opositores, o mesmo que Bolsonaro está fazendo na pandemia: deixa a população de municípios onde os prefeitos são opositores, sem o repasse para a saúde de hospitais de 20 leitos, bem diferente da época do governo Roseana Sarney, que repassava R$ 100 mil reais a estes municípios.

Com a decisão do Superior Tribunal Federal (STF), determinando que a União obrigatoriamente banque leitos exclusivos para pacientes com Covid-19 no Maranhão (reveja), isso pode representar um alento a alguns prefeitos do estado, que são massacrados pelo governador comunista com a falta de repasses para hospitais de 20 leitos. Em alguns municípios, hospitais foram fechados, o que sobrecarrega os hospitais da capital maranhense.

A regra precisa valer para todos, e usando da mesma lógica que levou o governo Flávio Dino (PCdoB) a cobrar na Justiça repasses do governo federal, os gestores de municípios onde ainda haja hospitais de 20 leitos podem fazer o mesmo, já que o pau que bate em Chico, precisa bater em Francisco.

Como bem destacou o jornalista Gilberto Léda, em seu Blogue, basta que cobrem – diretamente, ou via Judiciário – que o governo estadual volte a fazer os repasses que eram feitos normalmente pela Secretaria de Estado da Saúde (SES) para a manutenção destas unidades (saiba mais).

Segundo relatos de prefeitos, a dívida da Secretaria de Estado da Saúde com alguns municípios que deixaram de receber os repasses já ultrapassa a casa dos R$4 milhões de reais. Pelo valor, percebe-se o tamanho do massacre do comunista com seus opositores.

Com informações Blogue Gilberto Léda

Mostre mais

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo